• 41 99235-9570 / 41 99235-9540
  • 41 3324-3235
Clique aqui e
confira nossas oportunidades

Artigos marcados com a categoria: Varejo

Do online para o offline: conheça o movimento O20

Recentemente, gigantes do e-commerce mundial executaram ações que vão na contramão das tendências do mundo digital. Empresas como Google, Amazon e Evino têm direcionado seus investimentos para o comércio offline e físico. Trata-se do movimento O20. 

O Google, por exemplo, tem planos para inaugurar sua primeira loja física em Nova York, no bairro de Chelsea. O novo ponto de venda contará com produtos digitais e inovadores. Dentre eles, sua linha exclusiva de celulares e smartphones, Pixel, e soluções de uso doméstico, como os assistentes virtuais da marca Nest.

Além de adquirir as mercadorias, os clientes também terão a experiência única de testar as novidades da empresa, tirar dúvidas e também retirar produtos que foram comprados pela internet. Ou seja, o objetivo principal é fornecer uma vivência omnichannel.

Outro exemplo é a Amazon, que vem investindo pesado na expansão dos espaços “Amazon GO” – lojas físicas, completamente autônomas e digitalmente inteligentes focadas na experiência do consumidor.

Já a Evino também se juntou ao movimento, porém de uma forma diferente. A plataforma de venda de vinhos na internet planeja agora sua expansão pelos canais de autosserviço. Agora, quer espalhar máquinas de autoatendimento (ou vending machines) em espaços de trabalho compartilhados. Assim, é possível se aproximar do consumidor e garantir comodidade.

Leia também: Logística reversa: potencial econômico e sustentável

Movimento O20: o que é?

O movimento online para o offline, também conhecido como O20, tem se tornado uma tendência entre as maiores plataformas de e-commerce do mundo. A ideia não é apenas migrar para o varejo físico, mas sim levar toda a expertise referente ao comportamento do consumidor no ambiente digital para o espaço offline.

No movimento O20, as lojas físicas e online não competem nem são negócios independentes. Elas devem ser vistas como uma coisa só. Ou seja, essa modalidade é uma forma de unir o melhor dos dois mundos, integrando os negócios da loja física à estratégia de vendas digital. Isso permite uma venda híbrida.

Vending machine da Evino
Evino aposta em vending machines. (Divulgação)

Um exemplo prático desse movimento são os e-commerces que permitem a retirada das mercadorias em seus pontos físicos ou locais parceiros, como quiosques, balcões e contêineres. Dessa forma, o consumidor passa a ter mais contato com a marca e ainda tem a possibilidade de realizar novas compras no local.

O principal fator estratégico dessa nova modalidade é instalar esses pontos físicos em locais de grande movimento de pessoas, como estações do metrô, postos de gasolina, espaços de trabalho compartilhados (como no caso da Evino) e lojas de conveniência.

Leia também: Franquias resistem à covid-19 e surpreendem em 2020

Solução para todos os públicos

Esse novo modelo garante um bom atendimento para os diferentes tipos de consumidores. Por exemplo, há aqueles que pesquisam o preço de algum produto nas lojas físicas. Entretanto, ao fazer a comparação, acabam por comprar online. O contrário também acontece.

Contudo, em ambos os casos, os canais online e offline foram utilizados. Portanto, esse novo movimento, mais do que oferecer mais uma opção ao cliente, busca entender os hábitos desses consumidores para que a melhor experiência seja oferecida.

Mesmo com a transformação digital, ainda há uma boa parcela de clientes que prefere realizar compras em lojas físicas. Afinal, nesse cenário, existe a possibilidade de testar as possíveis aquisições. Além disso, consumidores se sentem mais seguros em relação à troca. O movimento O20 destaca-se como uma solução efetiva para esses casos.

Logística reversa: potencial econômico e sustentável

A adoção da logística reversa em favor do desenvolvimento sustentável tem se tornado uma tendência entre as organizações. Principalmente por conta do impacto social e ambiental pelo qual o setor empresarial é responsável.

Com o tempo de vida útil dos produtos cada vez menor, encontrar uma destinação correta para o descarte gerou um desafio. Felizmente, isso logo foi solucionado. No sentido de continuar o crescimento econômico sem que isso gere impactos negativos ao meio ambiente, as empresas começaram investir pesado em logística reversa.

Isso porque essa modalidade permite que a geração e a destinação dos resíduos industriais sejam controladas de forma a gerar retorno financeiro para a empresa. Simultaneamente, obtêm-se reconhecimento social.

Inclusive, a economia gerada pela reutilização de produtos pode se tornar algo fundamental para a permanência dos itens no mercado. Até para a sobrevivência de muitas companhias.

Leia também: Franquias resistem à covid-19 e surpreendem em 2020

Logística reversa: objetivos

De forma simplificada, o objetivo principal da logística reversa é impulsionar a sustentabilidade. Nesse sentido, as ações relacionadas à abordagem, utilizando o conceito dos 3 Rs (reutilização, reciclagem e reparo), se concentram em:

• Elaborar um planejamento para que o produto ou material retorne ao seu ponto de origem;
• Monitorar a movimentação do produto na cadeia logística para que ele siga na direção consumidor > produtor;
• Procurar meios para aproveitar melhor os recursos, seja na forma de reutilização do material para outros fins ou no reaproveitamento para a fabricação da mesma embalagem;
• Assegurar que o produto terá uma destinação correta após o uso.

Desse modo, pode-se entender que a logística reversa é complementar à logística tradicional. Afinal, se o papel da segunda é levar o produto até o consumidor, a primeira procura retorná-lo à fábrica. Combinadas, criam um ciclo sustentável.

Leia também: 3 soluções de logística para otimizar resultados

Exemplos de empresas que adotaram a logística reversa

Boticário

Desde de 2006, o Boticário investe em logística inversa. Dono de um dos maiores programas do país, hoje tem mais de 4 mil pontos de venda no Brasil que realizam a coleta de embalagens de cosméticos de qualquer marca.

Após o recolhimento, os materiais são encaminhados para cerca de 20 cooperativas de reciclagem. Abastecidas, elas conseguem gerar renda para muitas famílias.

Assim, o consumidor reconhece o valor da reciclagem e entende que, assim como a empresa, também possui um papel a desempenhar. Neste caso, encaminhar o que usa de volta às lojas.

Um exemplo bem prático de reutilização é o vidro do perfume Malbec Club. Ele é reciclado e evita que a empresa utilize 180 toneladas de material virgem por ano.

Nespresso

Desde 2011, a Nespresso atua em parceria com mais de 80 cooperativas em todo o Brasil para a reciclagem do alumínio que é utilizado na fabricação das cápsulas de café. Enquanto o alumínio é destinado à fabricação de outros itens, o pó de café vira adubo orgânico. Além disso, desde 2020, a Nespresso vem aprimorando ainda mais seus processos em relação à sustentabilidade.

Hoje, a companhia produz cápsulas a partir de 80% do alumínio reciclado; os clientes também passaram a ter a possibilidade de fazer a devolução das cápsulas nas Boutiques Nespresso ou nos mais de 200 pontos de coleta espalhados pelo país. Por fim, há ainda a opção de enviá-las pelo correio sem custo, em caso de não existirem Boutiques ou pontos de coleta próximos.

E a sua empresa, como atua em favor do meio ambiente?

3 soluções de logística para otimizar resultados

  • Artigo publicado em: 19 de maio de 2021
  • Categorias:

Grande parte do sucesso do setor de transportes do Brasil se deve à capacidade de empresas do segmento de se adaptarem a novas exigências. Por sua vez, investimentos diversos dão à luz cenários antes impensáveis – como entregas de produtos comprados pela internet em até uma hora. Ainda assim, muito se fala sobre somas assombrosas aplicadas por grandes players, enquanto os recursos que utilizam para conquistarem tais feitos permanecem nas sombras. Aliás, estamos falando, é claro, de soluções de logística variadas.

Equipes de T.I. atentas aos novos rumos do mercado percebem que, com a computação em nuvem, é possível, em pouco tempo e em poucos cliques, aliar ferramentas de suma importância para o bom andamento de operações nos dias de hoje a infraestruturas já implementadas por companhias do setor. De todo modo, é preciso saber escolhê-las apropriadamente, uma vez que as necessidades variam de uma organização para a outra.

Soluções de logística podem estar na palma de sua mão.
Soluções de logística podem estar na palma de sua mão. (Fonte: Freepik)

João Moressi, Fundador e CEO da Opah, especializada na criação de soluções digitais para negócios, em entrevista à Exame, explica: “Existe todo um ecossistema para que a venda aconteça: além da parte tributária, tem a logística, o estoque, os fornecedores, os colaboradores e os clientes. Se uma dessas pontas estiver ‘solta’, todo o sistema se prejudica.”

“A tecnologia pode e deve ser usada para apoiar todo o ecossistema do varejo: desde a estruturação e navegabilidade do site, pensando na experiência do usuário; no controle do estoque, na diminuição das burocracias e na facilidade da jornada de compra; na integração de todos os processos, na logística das entregas, nos canais de comunicação, como chatbots”, complementa.

Confira, abaixo, 3 soluções de logística capazes de manter a sua empresa nos trilhos do sucesso.

Sistemas integrados

Dentre os elementos essenciais estão funções e processos automatizados. Eles permitem planejar e executar o armazenamento e a entrega de produtos; controlar e administrar as operações do depósito; e planejar, executar e otimizar o embarque de mercadorias. Para isso, sistemas integrados oferecem a possibilidade de se eliminar ações manuais, garantindo, assim, benefícios como:

– Eficiência do transporte;

– Redução de custos;

– Obtenção da visibilidade da cadeia de suprimentos em tempo real;

– Garantia da satisfação do cliente.

Roteirizador de entregas

Usados para o planejamento de entregas, sistemas baseados em Windows ou em nuvem oferecem aplicativos da web e até e aplicativos iOS ou Android para motoristas.

Além disso, dependendo da necessidade, apresentam resultados estáticos ou dinâmicos. Ou seja, novas rotas podem ser definidas em períodos que vão de semanas a meses até diariamente e em tempo real.

Leia também: 5 maneiras de melhorar seu negócio para minimizar os efeitos da crise

Relacionamento com motoristas, consumidores e equipes

Por um lado, aplicações de gestão para motoristas garantem o acompanhamento das atividades de colaboradores e parceiros, reduzindo o índice de devoluções e custos logísticos, por exemplo. Por outro, soluções de Customer Relationship Management (CRM) auxiliam na construção da fidelização de clientes.

Por fim, apostar na implementação de plataformas que permitam a troca de ideias entre equipes impulsiona a produtividade interna. Isso, sabemos, se traduz em melhores resultados.

Recursos tecnológicos aprimoram processos em geral. (Fonte: Freepik)

Soluções de logística: quais são as suas?

Então, algum dos recursos acima já faz parte de sua realidade? Compartilhe conosco o que soluções de logística fizeram pela sua empresa.

Fique por dentro das nossas oportunidades.

Cadastre-se e receba nossas newsletters.