• 41 99235-9570 / 41 99235-9540
  • 41 3324-3235
Clique aqui e
confira nossas oportunidades
Loja física da Google é exemplo do movimento O20.

Do online para o offline: conheça o movimento O20

Recentemente, gigantes do e-commerce mundial executaram ações que vão na contramão das tendências do mundo digital. Empresas como Google, Amazon e Evino têm direcionado seus investimentos para o comércio offline e físico. Trata-se do movimento O20. 

O Google, por exemplo, tem planos para inaugurar sua primeira loja física em Nova York, no bairro de Chelsea. O novo ponto de venda contará com produtos digitais e inovadores. Dentre eles, sua linha exclusiva de celulares e smartphones, Pixel, e soluções de uso doméstico, como os assistentes virtuais da marca Nest.

Além de adquirir as mercadorias, os clientes também terão a experiência única de testar as novidades da empresa, tirar dúvidas e também retirar produtos que foram comprados pela internet. Ou seja, o objetivo principal é fornecer uma vivência omnichannel.

Outro exemplo é a Amazon, que vem investindo pesado na expansão dos espaços “Amazon GO” – lojas físicas, completamente autônomas e digitalmente inteligentes focadas na experiência do consumidor.

Já a Evino também se juntou ao movimento, porém de uma forma diferente. A plataforma de venda de vinhos na internet planeja agora sua expansão pelos canais de autosserviço. Agora, quer espalhar máquinas de autoatendimento (ou vending machines) em espaços de trabalho compartilhados. Assim, é possível se aproximar do consumidor e garantir comodidade.

Leia também: Logística reversa: potencial econômico e sustentável

Movimento O20: o que é?

O movimento online para o offline, também conhecido como O20, tem se tornado uma tendência entre as maiores plataformas de e-commerce do mundo. A ideia não é apenas migrar para o varejo físico, mas sim levar toda a expertise referente ao comportamento do consumidor no ambiente digital para o espaço offline.

No movimento O20, as lojas físicas e online não competem nem são negócios independentes. Elas devem ser vistas como uma coisa só. Ou seja, essa modalidade é uma forma de unir o melhor dos dois mundos, integrando os negócios da loja física à estratégia de vendas digital. Isso permite uma venda híbrida.

Vending machine da Evino
Evino aposta em vending machines. (Divulgação)

Um exemplo prático desse movimento são os e-commerces que permitem a retirada das mercadorias em seus pontos físicos ou locais parceiros, como quiosques, balcões e contêineres. Dessa forma, o consumidor passa a ter mais contato com a marca e ainda tem a possibilidade de realizar novas compras no local.

O principal fator estratégico dessa nova modalidade é instalar esses pontos físicos em locais de grande movimento de pessoas, como estações do metrô, postos de gasolina, espaços de trabalho compartilhados (como no caso da Evino) e lojas de conveniência.

Leia também: Franquias resistem à covid-19 e surpreendem em 2020

Solução para todos os públicos

Esse novo modelo garante um bom atendimento para os diferentes tipos de consumidores. Por exemplo, há aqueles que pesquisam o preço de algum produto nas lojas físicas. Entretanto, ao fazer a comparação, acabam por comprar online. O contrário também acontece.

Contudo, em ambos os casos, os canais online e offline foram utilizados. Portanto, esse novo movimento, mais do que oferecer mais uma opção ao cliente, busca entender os hábitos desses consumidores para que a melhor experiência seja oferecida.

Mesmo com a transformação digital, ainda há uma boa parcela de clientes que prefere realizar compras em lojas físicas. Afinal, nesse cenário, existe a possibilidade de testar as possíveis aquisições. Além disso, consumidores se sentem mais seguros em relação à troca. O movimento O20 destaca-se como uma solução efetiva para esses casos.

Comentários

comentários

Fique por dentro das nossas oportunidades.

Cadastre-se e receba nossas newsletters.